Bahá'í Library Online
.. . .
.
Back to Newspaper articles archive: 2002


E se, confirmado pelo Criador, o apaixonado escapar das garras da águia do amor, haverá de entrar no Vale do Conhecimento e sairá da dúvida para a certeza, e volver-se-á da treva da ilusão para a luz do temor de Deus.
 
 

Acervo Nacional Bahá’í de Áudio-Visual necessita coletar itens da história da Fé no Brasil

A Assembléia Espiritual Nacional dos Bahá’ís do Brasil comunica aos bahá’ís do Brasil que continua desenvolvendo o Acervo Nacional Bahá’í de Áudio-Visual, na Sede Nacional, visando reunir o maior número de itens áudio-visuais relacionados com o estabelecimento e desenvolvimento da Causa de Deus no Brasil.

Para tanto, vem solicitar aos amigos, tanto instituições quanto indivíduos, que enviem à Assembléia Nacional originais ou cópias de:

Conferências/Palestras feitas por bahá’ís destacados, pioneiros abnegados, gravadas em fitas de vídeo ou em fitas cassete em eventos realizados no Brasil (Conferências, Convenções, Escolas de Verão e de Inverno), bem como fotografias, de pessoas como:

Dr. Rahmatulláh Muhájir
Sr. Enoch Olinga
Sra. Leonora Armstrong
Sra. Margot Worley
Sra. Nylza Taetz
Sra. Maria de La Paz Trujillo de Lopez (Dona Paquita)
Sr. Raul Pavón
Sr. Habib Taherzadéh
Sr. Sérgio Resende Couto

Os amigos poderão desejar incluir outros amigos nessa breve lista, aqui colocada apenas a título de exemplificação.

Estes preciosos itens deverão ser enviados à

Assembléia Espiritual Nacional dos Bahá’ís do Brasil
Acervo Nacional Bahá’í de Áudio-Visual
Caixa Postal: 7035
CEP 71619-970 Brasília, DF

Utilizar sempre correio registrado e com o formulário de AR (Acusando Recebimento).


Uma breve história sobre a Epístola dos Mistérios - Javdhiru’l-Asrdr (Gems of Divine Mysteries)

A Epístola Javahiru’l-Asrar (A Essência dos Mistérios) foi revelada em árabe por Bahá'u'lláh em Bagdá, em honra a Siyyid Yúsuf-i-Sidihí, um morador de Karbilá, que havia reunido algumas perguntas concernentes à vinda do Prometido do Islã, afirmando que a pessoa que as pudesse responder seria o possuidor da Verdade. Tão logo suas perguntas chegaram a Bahá'u'lláh, Ele revelou esta Epístola e a enviou a Siyyid Yúsuf no mesmo dia.

A Javahiru'l-Asrar deve ter sido revelada enquanto os inimigos de Bahá'u'lláh estavam ativamente conspirando contra Sua vida. Pois nela Ele fala brevemente dos sofrimentos que foram infligidos a Ele e menciona as maquinações daqueles que intentavam bani-Lo ou assassiná-Lo. Outra pista que indica o período em que tal Epístola foi revelada pode ser encontrada no Kitáb-i-Iqán. Nesse livro, Bahá'u'lláh faz referência à Epístola de Javdhiru'l-Asrar quando diz:

De modo semelhante, nos três outros Evangelhos, segundo Lucas, Marcos e João, as mesmas afirmações são relatadas. Já que a elas temos nos referido minuciosamente em Nossas Epístolas reveladas na língua árabe, não as mencionamos nestas páginas e limitamo-Nos a uma referência apenas.”

Esta notável Epístola trata de muitos assuntos, desvela muitos mistérios, revela o significado de muitas passagens dos Livros Sagrados das antigas religiões e traz alguns dos mais nobres conselhos para o progresso espiritual do ser humano. Em parte, parece-se embora não em um nível místico com algumas das características de Os Sete Vales.

Umas dessas semelhanças é a explicação de Bahá'u'lláh dos sete estágios na jornada do homem para alcançar sua meta espiritual final. Esses estágios são chamados por Ele de “cidades” da “busca”, do “amor”, da “unidade”, da “admiração”, do “simples nada”, e da “imortalidade”, seguidos de uma “cidade” conhecida somente por Deus e Seus Manifestantes, tão exaltada que nenhum ser humano pode compreender sua natureza, para a qual nenhum nome ou definição pode ser dado. Sobre a “cidade da unidade”, Bahá'u'lláh afirma que nela o homem verá em todas as coisas os sinais de Deus, tornar-se-á humilde, nunca exaltando a si mesmo mais que aos outros, e, em todos os tempos, considerará a si mesmo como estando na presença de seu Senhor. Na “cidade da imortalidade”, ele ver-se-á independente de todas as coisas exceto de Deus, tendo acesso aos tesouros inexauríveis de Deus embora ele mesmo viva na pobreza. Neste plano, todos os atributos de Deus serão manifestados dentro dele e sua vida tornar-se-á divina.

Bahá'u'lláh afirma que os requisitos essenciais para o ser humano em todas essas jornadas são humildade e abnegação diante dos fiéis. Qualquer tipo de orgulho ou egoísmo impedirá o peregrino de entrar em qualquer uma dessas “cidades”, fazendo com que volte ao primeiro estágio. A importância desta Epístola torna-se evidente quando observamos que seus temas são similares aos do Kitáb-i-Iqan. Embora menos abrangentes em seu alcance, seus assuntos são aqueles que Bahá'u'lláh desenvolve em profundidade naquele livro. Por exemplo, Ele enumera nesta Epístola um determinado número de razões que impediram os seguidores de todas as religiões de reconhecerem o próximo Manifestante de Deus; especifica algumas das qualidades que um buscador deve possuir a fim de encontrar a verdade; afirma que Deus é incognoscível em Sua Essência; destaca a unidade de todos os Seus Mensageiros; explica o significado de termos como o Dia do Julgamento, ressurreição, vida, morte e terminologias similares que se encontram nos Livros Sagrados do passado; interpreta algumas profecias do Antigo e do Novo Testamentos, e elucida passagens do Alcorão e das tradições do Islã que prevêem a vinda do Qá'im e o advento do Dia de Deus, identificado por Bahá'u'lláh com o aparecimento “dAquele que Deus tornará Manifesto.”

Fonte: “A Revelação de Bahá'u'lláh”, Adib Taherzadeh, V. 1, p. 180/182


De como “Fada” nos ensina o valor das ações puras, por Shahbaz Fatheazam, da Comunidade Bahá'í de Maringá

Era um sábado bonito quando eu e meu segundo filho Shayan, de 10 anos, passeávamos em uma praça perto de nossa residência. De repente ele vê um homem com um cachorro ao lado e nos aproximamos. Meu filho então, pergunta se o cachorro é dele, porém o senhor não responde. Então Shayan pergunta se pode brincar com o cachorro e fica alguns minutos acariciando o animalzinho. Em seguida meu filho diz:
-- Pai, me leva pra casa agora!
Chegando em casa ele começou a revirar os jornais e encontrou o que procurava: um anúncio de dois dias atrás sobre uma cadela da raça Lhassa Apso que havia fugido de casa, usando uma coleira preta com estrela e que chamava-se “Fada”. No anúncio constava também que a criança, dona da cadela, estava doente pela falta da mesma, portanto oferecia-se recompensa.
Shayan mostrou-me o anúncio, então fomos novamente até a praça e meu filho perguntou outra vez ao senhor se aquele cachorro era dele. O homem finalmente respondeu dizendo que o havia encontrado há poucos dias. Então Shayan chamou Fada pelo nome, que atendeu prontamente. Não tendo mais dúvidas de que o animal tinha dono, Shayan ofereceu R$ 10,00 (de sua mesada) ao homem, dizendo que levaria Fada de volta ao seu dono.

Ao chegarmos em casa com a cadela, minha esposa, Neda, emocionou-se com o ato de generosidade do nosso filho, que estava preocupado principalmente com a criança que encontrava-se doente pela falta de seu animal de estimação. Ligamos então, imediatamente para o número de telefone que estava no anúncio, porém ninguém atendeu. Minha esposa sugeriu que Shayan levasse Fada para um banho, pois certamente a criança ficaria bem mais feliz ao recebê-la de volta limpinha. Shayan gastou, então, mais R$ 8,00 com o banho de Fada e mal podia esperar para entregá-la de volta aos donos. Ligamos várias vezes durante todo o sábado, mas ninguém atendeu ao telefone. Tivemos que sair à noite e levamos Fada junto, pois de onde estivéssemos ligaríamos para os donos e a entregaríamos.

Depois de mais algumas tentativas, finalmente uma moça chamada Mariana (nomes dessas pessoas alterados para não identifica-las) atendeu ao telefone por volta de 20h00. Minha esposa explicou o fato e perguntou se poderia levar Fada. Mariana, que deve ter uns 16 anos disse que a cadela era da irmã mais nova, Maitê, porém disse que os pais não estavam em casa e que chegariam à noite. Neda então, entendeu o fato de Mariana não querer abrir a porta para estranhos, uma vez que estava sozinha em casa.

Mais tarde, por volta de 22h00 a minha esposa ligou novamente e disse a Mariana que não poderia ficar com a cadela até o dia seguinte, pois também tinha uma e temia o desentendimento das duas cachorras. Pediu então para que ela apenas recebesse o animal de volta e no dia seguinte Maitê poderia agradecer ao Shayan pelo telefone.

Assim, Shayan e Neda foram entregar Fada e viram que no mesmo quintal havia outro animal da mesma raça. Tanto o animal quanto os donos ficaram fora de si de felicidade. Shayan ficou louco, também, para saber da possibilidade de pelo menos trocar a recompensa por um filhote...

Minha esposa anotou nosso telefone, entregou para Mariana e fomos para casa. O domingo inteiro se passou e nenhuma ligação chegou. Segunda-feira, que inclusive foi o feriado de aniversário da cidade, também nenhum retorno. Na terça-feira Shayan já estava muito triste, aguardando pelo menos por uma ligação que não chegava nunca (a possibilidade de recompensa já devidamente descartada).

Foi então que a minha esposa, ao ver o desapontamento de nosso filho aguardou até que ele não estivesse presente e resolveu ligar para saber o que estava acontecendo. Desta vez quem atendeu foi a mãe das meninas. Neda então perguntou se ficaram felizes por terem a cadela de volta e disse que Shayan estava aguardando pelo menos um agradecimento pela sua boa ação. A dona da casa disse então para que Neda procurasse o “Jorginho” no “Café Mayara” para tratarem sobre o assunto. Em princípio Neda não concordou e sugeriu que eles mesmos passassem na casa de Shayan para fazer o agradecimento, pois seria mais delicado, porém, novamente a dona da casa insistiu que ela deveria ir até o Café Mayara, a empresa do marido, alegando que ficava na zona 5, portanto próximo à nossa residência. A minha esposa já estava até desistindo da história, mas pelo filho concordou em procurar a empresa às 17h00 do dia seguinte.

Na quarta-feira, Neda pegou Shayan após sua aula de inglês e foram a procura do endereço. Após se perderem, finalmente encontram a empresa, localizada longe, próxima ao DETRAN, na saída da nossa cidade. Lá perguntaram pelo sr. Jorginho, mas os empregados disseram que ele tinha saído da empresa desde às 15h00 e não deixara recado. Naquele instante minha esposa ficou muito irritada com o descaso pelo seu filho e teve uma longa conversa com Shayan. Explicou a ele que existem pessoas boas e ruins, honestas e desonestas. Disse que sua ação estava correta, apesar de ter ouvido conselhos “espertos” de alguns amiguinhos tais quais: “Ligue para a dona e avise que você quer R$ 200,00 de recompensa” ou então “Fale que você teve que comprá-la de volta e precisa do reembolso”. Neda falou, ainda, que os R$ 18,00 que o Shayan havia gasto com Fada não lhe seriam repostos, pois esta atitude tinha sido de sua livre escolha, porém disse que a vida lhe daria muitas recompensas por ser bom e correto. Enfim, minha esposa deu uma aula de moral ao nosso filho e acabou fazendo com que ele desistisse de esperar por alguma coisa vinda daquelas pessoas. Porém, minha esposa, ainda inconformada com a decepção que nosso filho tivera, chegou em casa e não se conteve. Fechou-se no quarto e ligou novamente para o telefone do anúncio. Desta vez quem atendeu foi Maitê, de 12 anos, a dona do cachorro. Neda então estabeleceu o seguinte diálogo com a moça:

-- Oi Maitê, você ficou feliz por ter de volta sua cadela e ainda limpinha?
-- Sim, mas ela poderia estar suja que eu ficaria feliz do mesmo jeito.
-- Você sabe quem te devolveu a Fada?
-- Não, não fiquei sabendo de nada.
-- Mas você nem se interessou em saber quem foi o autor desta boa ação?
-- Não.
-- Então, você está perdendo a oportunidade de agradecer ao meu filho Shayan, que a encontrou. Que tal desligar e me ligar de volta para ele ficar feliz? Além disso ele gastou R$ 18,00 só para conseguir te devolver Fada.
-- Ah, mas ela vale muito mais do que isso. Nós pagamos R$ 700,00 por ela!
-- Tudo bem, meu filho não sabe que estou ligando, mas eu já disse a ele que não precisa de recompensa nenhuma de vocês porque ele já teve sua recompensa. Nós estamos super orgulhosos dele. Você só precisa ligar e dizer obrigada. Agora quem está doente é ele, que acreditou em um anúncio de jornal e ficou preocupado por saber que tinha uma criança doente. Depois ele recebe esse desprezo todo e não consegue entender. Eu até menti para meu filho dizendo que vocês haviam ligado, no entanto sempre sou eu que ligo. Mais uma vez repito, não quero nada de vocês, apenas uma ligação de agradecimento para ele. Eu só espero que se você perder Fada novamente, outra pessoa honesta como meu filho a encontre para você.
-- Ela não vai mais fugir porque agora só fica no meu quarto, respondeu a menina.

Depois deste diálogo, Maitê anotou o telefone e endereço de Shayan ditados por minha esposa, porém já se passaram muitos dias e a ligação nunca retornou! Nunca retornou também o reconhecimento para os atos de desprendimento e compaixão de uma criança. Mas o pior de tudo nesta história foi que minha esposa viu-se rondando a casa da tal família e tendo pensamentos macabros, tomada por tamanha raiva que sentia. Mas viu que raiva não é um sentimento bom. Refletiu e chegou à conclusão de que gente desse tipo não pode fazer parte da nossa vida e que a única coisa que devemos sentir é pena.

Passadas duas semanas deste episódio, eu estava em viagem quando minha esposa foi buscar Shayan no inglês novamente, e ele, como sempre estava com fome. Ela parou, então em uma lanchonete e como estava com pouco dinheiro, teve que pechinchar para conseguir comprar pelo menos um pastel para cada um, inclusive quem os aguardava em casa: mais dois irmãos e as moças que cuidam da casa. No momento que estavam entrando no carro uma mulher deficiente aproximou-se e pediu ajuda. Minha esposa desculpou-se dizendo que acabara de gastar até o último centavo, portanto não tinha e entraram no carro. Neste instante Shayan perguntou:
-- Mamãe, posso comer o meu pastel agora? Neda respondeu que sim. Então ele pegou seu pastel e, mesmo estando com fome, entregou-o para a mulher deficiente. No carro Shayan perguntou:
-- Mamãe, você acha que eu fiz certo? Você vai contar? Neda então respondeu que fez certo sim, mas ela não iria contar nada, pois aquele tipo de atitude deveria ser sincera e feita de coração e não esperando publicidade pelo ato. Ele, então, disse que fizera de coração sim e que ela não precisava contar para ninguém. Ao chegar em casa todos tiveram seu pastel e Shayan sequer pediu algum pedaço.

No dia seguinte o meu filho chegou em casa depois da aula, todo feliz, dizendo que a classe inteira sabia da história do pastel. Perguntamos como e ele nos respondeu que a sua professora, que passava pelo local no exato momento, presenciou tudo e contou a história para a classe toda, dizendo, por fim, o quanto estava orgulhosa de Shayan. Uma ilustração viva que não é preciso contar as boas ações que se faz - basta a sinceridade e a simplicidade falar mais eloqüentemente! Frisou bem o místico alemão Johannes Scheffler do século 17 (porque assumiu o estranho nome Angelus Silesius ninguém sabe): “A rosa não tem porquê, floresce porque floresce, não se preocupa consigo, não deseja ser vista...”

Meu filho teve sua recompensa, que foi o reconhecimento; em tempo, horripilado pelo conto da Fada, quase deixa de recuperar a sua confiança na natureza humana desde aquele dia de perfídia - o dia de cão!

Nota: A revista nacional (trimestral) para a qual escreve regularmente Shahbaz Fatheazam e que tem um público de 7.000 leitores entre médicos e outros profissionais de saúde, publicou este texto, daí porque a ABEN decidiu publicar sem antes ter solicitado a autorização do autor. Imagem: Uma cadela da raça Lhassa Apso

©Copyright 2002, Agência Bahá´í de Notícias, Brasil


. . .